quarta-feira, 9 de abril de 2008

Retirante paulista

Foram 250Km de uma estrada boa, sem buracos. Pista dupla nos primeiros 150Km, até um pouco depois de Caruaru. Depois, e agora até o final, pista única. Acabei saindo tarde porque mecânico demorou para me entregar o carro, que ficou inventando problema até o último minuto. Carro que, por sinal, veio super lotado. Não caberia nem papagaio a mais. Um verdadeiro carro de retirante paulista que veio tentar a sorte no sertão nordestino.

Fui parado por um policial rodoviário. Segundo ele, eu ultrapassei numa região em que isso não era permitido. Eu (conforme as minhas próprias expectativas e os alertas dos amigos), já estava me preparando para perguntar quanto isso iria custar, quando ele disse que ia me liberar, sem mais, e ainda fez um comentário preocupante - pelo menos para quem acabou de sair do mecânico e ainda tem muito o que rodar. "Esse motor do seu carro tá meio fraco, o barulho dele tá esquisito". Só me faltava essa, no meio do sertão...

Estou no "Max Hotel", na beira da estrada, um pouco depois de Arcoverde. Parei quando escureceu, pois ninguém nessas bandas recomenda dirigir de noite. O hotel é grande, mas parece que só eu estou hospedado. Quarenta e cinco reais por uma noite de sono. Amanhã quero ver se pego a estrada antes das sete, para dirigir sem pressa e chegar em Petrolina antes das cinco, horário do exame médico que marcaram para mim na universidade.

Quatro noites, quatro cidades e quatro camas diferentes: São Paulo, Recife, Arcoverde e Petrolina. Tá bom prá quem gosta de aventura.

Um comentário:

Carmem Masutti disse...

Essa não tinha lido ainda. Legal o seu diário. Tenho uma notícia para você: irá se hospedar de novo no Max Hotel. É lá nosso primeiro pernoite durante excursão de Gênese. Tem o melhor café-da-manhã de todos os hotéis da excursão, segundo os alunos.