quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Tourist Information 10 - Passeio diurno de barco

A mesma embarcação que faz o passeio noturno (Rio dos Currais, vide postagem abaixo), também faz esse passeio durante o dia. Todo domingo ela parte às 10:00hs da manhã do local habitual (a saída das barquinhas de Juazeiro) e segue numa jornada de subida pelo rio, passando por várias ilhas (Rodeadouro, Massangano, entre outras), até chegar na ilha da Amélia onde é feita uma parada, após cerca de duas horas de viagem, para os passageiros desfrutarem da água cristalina e refrescante.

Nesse meio tempo, pode-se desfrutar da vista das margens de ambos os estados. Pernambuco na margem direita, Bahia na margem esquerda. A alternância de tipos de moradia parece ser a marcada registrada desse trajeto. Belas casas, grandes mansões e lindos jardins decoram as margens em ambos os lados, assim como moradias bem humildes e áreas abandonadas. Eventualmente, um ou outro condomínio de luxo pode ser visto também.

Apesar do forte sol, é possível se proteger debaixo de umas faixas de pano coloridas colocadas na parte superior do barco, onde também estão as mesinhas e os passageiros, que conversam animadamente. Um rapaz acomodado no fundo liga o seu teclado e os seus alto-falantes, e garante o fundo musical da viagem que, dependendo da animação dos passageiros, acaba virando trilha sonora para embalos de um domingo pela manhã.

Ao chegar na ilha da Amélia, mesinhas, cadeiras de plástico e sombrinhas são transportadas pela tripulação para a água e para a areia, e aí você pode se instalar e tomar aquela cerveja gelada com os pés na água fresca. Além da cerveja, a tripulação disponibiliza petiscos e, um pouco mais tarde, um almoço self-service dentro do próprio barco.

O banho de rio nesse trecho é maravilhoso, a água é fria na medida certa e você pode caminhar que a profundidade é sempre pequena. A ilha em si é pequena e não tem muito a ser explorado. Mas se você convencer o Rogério, proprietário do barco, a te levar para um passeio de bote pelas redondezas, você poderá chegar até a desembocadura do rio Salitre, um lugar muito bonito onde a água parece um espelho. Dá vontade de seguir rio adentro para descobrir os seus segredos. De qualquer forma, dá para relaxar bastante, tomar muitos banhos de rio e desfrutar da linda vista durante a permanência na ilha.

Lá pelas 16:00hs, é hora de voltar para casa. Todo o material desembarcado já foi recolhido e estamos prontos para zarpar. Na volta estão todos cansados, pois o sol e a cerveja foram os senhores do dia. Mesmo assim o barco vai animado, a música tocando e, agora, o sol se pondo vai dando o tom quente das cores no final do passeio.

É sem dúvida um grande passeio. Se você estiver com o domingo disponível, não pense duas vezes. Ligue para o Rogério (telefone abaixo) e faça a sua reserva. Por apenas R$25,00, fora o almoço, as cervejas e os petiscos, você vai aproveitar bastante o seu dia, se divertir um bocado e ainda conhecer mais sobre o Rio dos Currais, também chamado de Nilo Brasileiro.

As fotos estão em http://www.marcusramos.com.br/passeiodebarco.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Ele é o máximo!











Faz muitos anos, mas muitos mesmo, desde que eu comprei o meu primeiro LP dele. Acho que foi por indicação do Robson, que sempre tinha dicas boas para me dar, desde aquela época. O disco tinha um retrato dele na capa, usando um paletó verde sobre um fundo também verde ("Eu e o Tempo", Copacabana, 1977) e trazia músicas e coletâneas que já eram ou se tornariam clássicos rapidamente ("Feche este porta", "Sonhar contigo", "O relógio" e "Tão somente uma vez", entre outras).

Eu logo fiquei encantado com o estilo, o repertório e a originalidade dele. Virei fã de carteirinha instantaneamente, e mantenho essa condição desde então. De lá para cá ele virou assíduo das minhas festas e estava em todas as minhas seleções de músicas preferidas.

Pois hoje, depois de todos esses anos, eu tive a chance de assitir, pela primeira vez, a um show ao vivo dele. Foi na orla de Petrolina, como parte das comemorações do 5º Festival da Primavera.

Quase me faltam palavras para descrever o show. Creio que, dessa vez, as fotos poderão contar melhor a história. Ele é simplesmente sensacional e a emoção de assisti-lo ao vivo foi muito forte. Para começar, aquele repertório que é ao mesmo tempo clássico e atual, que balança com jovens e adultos da mesma forma. Além dos seus grandes sucessos, ele também cantou Lulu Santos, Roberto Carlos, Altermar Dutra e vários outros.

Não bastasse isso, em cima do palco o Adilson é pura energia e alegria, nunca vi coisa igual. Cantou e pulou como um adolescente durante uma hora e meia. Fez caras e bocas, arrebatou a platéia e colocou toda a sua paixão nos seus gestos e na sua voz. Ele é, mesmo, um eterno apaixonado.

E, para completar, ele foi acompanhado por banda extremamente competente, que soube mesclar arranjos clássicos com outros mais modernos, com grande segurança e brilho, o que garantiu o excelente resultado final da apresentação.

Fotografei o show inteiro com um sorriso que ia de uma orelha até a outra, muitas vezes arrepiado mesmo. Eu me senti transportado para uma das minhas antigas festas, e também para os momentos da minha vida que foram definitivamente marcados por esse artista tão especial.

Num certo momento do show ele agradeceu aos presentes por terem deixado que ele fizesse parte da história das suas vidas. Pois sou eu que agradeço, Adilson. Ter uma história de vida pontuada por artistas como você é uma alegria e um privilégio. Torço para que você tenha uma vida longa e sempre com muita energia. Você é o má-xi-mo!!

sábado, 19 de setembro de 2009

Tourist Information 09 - Passeio noturno de barco


Desfrutar de uma noite de queijos e vinhos a bordo de um barco que trafega lentamente pelas águas do rio São Francisco é um passeio que deveria estar na agenda de todo visitante de Petrolina e região.

O barco chama-se Rio dos Currais, e é um daqueles que faz diariamente a travessia entre Petrolina e Juazeiro, ao custo de R$0,80. Mas uma vez por mês, de noite, ele decora e transforma o seu convés superior para uma noite de gala e de confraternização entre os amigos do "Clube do Vinho", que pagam R$50,00 para fazer esse passeio diferente.

Pois é lá em cima, de onde se tem uma linda vista noturna da ponte e das duas margens do São Francisco, com as luzes de Petrolina e Juazeiro, onde são montadas as mesas para os convidados e onde são servidos os pães, queijos, espumantes, vinhos e brandys que garantem uma noite de relaxamento e diversão, especialmente se você estiver acompanhado pelos seus amigos. Os garçons são alunos do curso de enologia do Instituto Federal de Tecnologia do Sertão Pernambucano e por isso, além de muito atenciosos, sabem o que estão servindo e como estão servindo.

Ontem, em particular, o barco não trouxe música ao vivo para bordo, uma vez que na orla de Petrolina acontece o Festival da Primavera, com um grande palco montado junto ao rio, onde todas as noites se apresentam os artistas que animam as comemorações do aniversário de 114 anos da cidade (no próximo dia 21/09/09). Assim, dessa vez fomos embalados pelas águas do rio, pelas ondas do vinho e pelo som ao vivo do grande Geraldo Azevedo.

Por mais de quatro horas se estendeu o passeio, das nove da noite à uma da manhã, quando fomos devolvidos à margem de Petrolina. O embarque para o passeio noturno, no entanto, pode ser feito tanto em Petrolina quanto em Juazeiro, nos respectivos locais de embarque da barquinha que faz a travessia.

Para agendar, deve-se entrar em contato diretamente com o proprietário do barco, Rogério, que atende pelo telefone (74)8805.1809. Não há, inflelizmente, datas fixas para a realização desse passeio, que depende sempre de se conseguir reunir um número suficiente de interessados.

Mas vale a pena ligar para ele com antecedência e manifestar o desejo de subir a bordo. Quem sabe o próximo passeio coincide com o período em que você estiver por aqui, e assim você volta para casa com uma diferente e etílica lembrança do rio são Francisco. E não se esqueça de torcer para que a lua cheia também resolva aparecer.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Tenda - 30 anos


(Foto de Eliane Pozzebon)

Tenda é o nome da Galeria de Arte dos arquitetos e promotores culturais Carolina e Cosme Cavalcanti, e ontem foi a festa de comemoração dos 30 anos da sua existência. Num espaço repleto de belas obras de artistas locais e regionais, como por exemplo as pinturas de Caboclo realizadas por Otoniel Fernandes e, para minha supresa, do próprio Cosme Cavalcanti, arranjador de mão cheia, foram recebidos os convidados para celebrar esta importante data.

Com apresentação da orquestra de Câmara do IFET do Sertão Pernambucano (a mesma que se apresentou na Festa do Tamarindo em Caboclo), lançamento dos livros de Wilton Souza (sobre a obra de seu irmão Wellington Virgolino) e de Marcos Cordeiro, discurso do prefeito Júlio Lóssio e presença de autoridades e personalidades da cultura (Geraldo Azevedo, ilustre petrolinense, estava lá para prestigiar o seu amigo Cosme), a festa trouxe ainda outra boa notícia para os presentes: o projeto de um futuro Museu de Arte Moderna e um Parque de Esculturas em Petrolina, numa ambiciosa e muito bem-vinda parceria entre governo federal, estado, município e iniciativa privada.


sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Tourist Information 08 - São Raimundo Nonato


Visitar São Raimundo Nonato e conhecer as atrações que a cidade oferece faz parte indiscutível do roteiro de atrações turísticas aqui da região do Vale do São Francisco.

Com 31.880 habitantes, a cidade, que fica na beira do rio Piauí, é pacata, limpa e bem organizada. Mas é como porta de entrada para o Parque Nacional da Serra da Capivara que ela ganhou a sua fama, no Brasil e no exterior.

Esse parque, formado por cerca de 55 sítios arqueológicos, constitui um dos maiores, senão o maior, local de pesquisas e achados sobre a civilização americana primitiva. É lá, entre outras coisas, que estão sendo feitas as descobertas que poderão, no futuro, alterar radicalmente o conceito que se tem sobre as origens desse mesmo homem americano. Distante apenas 28 Km da cidade, esse é um passeio que precisa ser feito em diversos dias, pois a variedade de roteiros e atrações para serem visitados dentro do parque parece ser inesgotável. Dessa vez eu fui a trabalho, portanto não tive tempo de entrar no parque. Mas voltarei em breve, com toda certeza.

Na cidade de São Raimundo Nonato fica o campus da UNIVASF que oferece o curso de Arqueologia e Preservação Patrimonial, o primeiro do gênero no país. E, ao lado do campus, o Museu do Homem Americano, idealizado e construído pela Fundação Museu do Homem Americano (FUMDHAM), coordenada pela pesquisadora francesa Niéde Guidon, que atua na região desde 1978.

Inaugurado em 1998, o Museu apresenta ao público os principais achados arqueológicos feitos até o momento no Parque Nacional, ao mesmo tempo em que ilustra, de forma didática, a história da evolução e da origem do homem americano desde tempos remotos. Recursos tecnológicos avançados são usados extensivamente em todos os espaços do Museu.

Dentro dele, nos curtos intervalos em que nos separamos da nossa viagem no tempo e no imaginário de épocas tão remotas, é difícil dizer se estamos em São Raimundo Nonato, São Paulo, Paris, Londres ou Nova Iorque. Pois o Museu não deve nada aos melhores do mundo, seja no conteúdo, na construção, na organização interna, na forma de contar tantas histórias ou na qualidade do atendimento. Um lugar de destaque internacional, sem sombra de dúvida. Além do espaço de exposição, fazem parte do lugar diversos laboratórios de pesquisa, um centro cultural, um anfiteatro, um auditório e uma loja onde é possível adquirir livros, CDs e outras lembranças que referenciam o Parque Nacional e o que já foi descoberto por lá.

Para mais informações sobre o Museu e a Fundação, clique em: http://www.fumdham.org.br/.

Distante 300Km de Petrolina, São Raimundo Nonato fica no sul do Piauí. Chegar lá é um exercício de paciência e resistência física pois, desses 300Km de estrada, mais da metade está totalmente destruída, tornando extremamente difícil a travessia. No geral, dependendo da disposição do motorista para agredir o veículo (e os passageiros) com os buracos da estrada, o tempo total de viagem ficará entre 4 e 5 horas, sem contar eventuais paradas.

Partindo-se de Petrolina deve-se pegar a saída para Casanova (BA) e seguir sempre em frente. Os primeiros 100Km são tranquilos, com asfalto em boas condições. A partir daí inicia-se o martírio de transpor os 150Km seguintes, formados por resquícios quase arqueológicos, quando existentes, de uma estrada que lá foi construída em tempos longínquos. Essa é a distância que nos leva, Bahia adentro, passando por Remanso, até a fronteira do Piauí. Fronteira essa, aliás, que marca o retorno do macio e confortável asfalto e traz alívio para corações e mentes desesperados. Depois disso, são apenas mais 50Km até São Raimundo Nonato. Desnecessário dizer que sinalização, locais para comer e beber, ou ainda para consertar um pneu furado, são praticamente tão frequentes nesse trecho quanto estações espaciais entre a Terra e a Lua. E que os animais soltos entre os carros poderiam quase formar um zoológico a céu aberto com 4 ou 5 espécies diferentes.

Mas nada disso importa quando a recompensa que se tem do outro lado é tão grande. Apenas evite ir de outra forma que não seja num utilitário e com ar-condicionado. E não se esqueça de tirar do armário aquela sua roupa de Indiana Jones. Você vai se sentir o próprio!

P.S. A estrada citada no texto aparece listada no Guia Quatro Rodas Bahia como uma das cinco piores do estado. "Fica do outro lado do rio São Francisco, onde parece que a estrada foi esquecida junto com os lugares por onde passa."

Anti-tucanês

Nunca frequentei, portanto não sei dizer se o sanduíche é bom. Mas, convenhamos, a sinceridade do proprietário é comovente.

sábado, 5 de setembro de 2009

Marcus viu a uva...

Depois de um ano e quatro meses, eu finalmente comecei a encontrar, em mercadinhos e supermercados locais, a famosa uva do Vale do são Francisco. Aquela, que de tão boa que é, a gente só toma conhecimento da existência pelo noticiário de jornais, revistas e TV. E a uva é de fato excelente. Verde, sem semente, grande e gorda, tenra, crocante e muito doce. Uma dávida, sem sombra de dúvida. "Será que andaram importando de algum país?", foi a minha primeira reação.

Mas hoje, no entanto, lendo com algumas horas de antecedência o jornal de amanhã, eu acabei encontrando a explicação para esse "fenômeno":

"Durante anos, colocamos para o Brasil apenas o que sobrava das exportações. Deixávamos o que não tinha qualidade e vendíamos para fora a melhor fruta. Hoje, reconhecemos que foi uma estratégia equivocada."

O depoimento é do vice-presidente da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortifrutigranjeiros do Vale (Valexport), Arthur Souza, para uma reportagem publicada no Jornal do Commercio do dia 06/07/09, intitulada "O Vale agora mira o mercado interno". Que pode ser resumida nos seguintes termos: com a crise internacional, o preço da fruta lá fora caiu muito e agora a estratégia de sobrevivência desses produtores passa pelo mercado interno.

Já estava mais do que na hora disso acontecer. Faço votos de que os mercados, tanto o interno quanto o externo, se recuperem e que os produtores voltem a ganhar muito dinheiro. Mas rezo para que o aparecimento das boas uvas nos mercadinhos não seja apenas uma estratégia passageira, e que elas não nos digam adeus assim que as coisas melhorarem um pouco do outro lado do oceano. Enquanto isso, uva fresquinha na geladeira todos os dias!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Wordle


O de baixo foi feito por mim. O de cima foi feito pelo Wordle. Mais bonito esse, né?

Cartão de visita


Sinal dos tempos.