sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Tourist Information 08 - São Raimundo Nonato


Visitar São Raimundo Nonato e conhecer as atrações que a cidade oferece faz parte indiscutível do roteiro de atrações turísticas aqui da região do Vale do São Francisco.

Com 31.880 habitantes, a cidade, que fica na beira do rio Piauí, é pacata, limpa e bem organizada. Mas é como porta de entrada para o Parque Nacional da Serra da Capivara que ela ganhou a sua fama, no Brasil e no exterior.

Esse parque, formado por cerca de 55 sítios arqueológicos, constitui um dos maiores, senão o maior, local de pesquisas e achados sobre a civilização americana primitiva. É lá, entre outras coisas, que estão sendo feitas as descobertas que poderão, no futuro, alterar radicalmente o conceito que se tem sobre as origens desse mesmo homem americano. Distante apenas 28 Km da cidade, esse é um passeio que precisa ser feito em diversos dias, pois a variedade de roteiros e atrações para serem visitados dentro do parque parece ser inesgotável. Dessa vez eu fui a trabalho, portanto não tive tempo de entrar no parque. Mas voltarei em breve, com toda certeza.

Na cidade de São Raimundo Nonato fica o campus da UNIVASF que oferece o curso de Arqueologia e Preservação Patrimonial, o primeiro do gênero no país. E, ao lado do campus, o Museu do Homem Americano, idealizado e construído pela Fundação Museu do Homem Americano (FUMDHAM), coordenada pela pesquisadora francesa Niéde Guidon, que atua na região desde 1978.

Inaugurado em 1998, o Museu apresenta ao público os principais achados arqueológicos feitos até o momento no Parque Nacional, ao mesmo tempo em que ilustra, de forma didática, a história da evolução e da origem do homem americano desde tempos remotos. Recursos tecnológicos avançados são usados extensivamente em todos os espaços do Museu.

Dentro dele, nos curtos intervalos em que nos separamos da nossa viagem no tempo e no imaginário de épocas tão remotas, é difícil dizer se estamos em São Raimundo Nonato, São Paulo, Paris, Londres ou Nova Iorque. Pois o Museu não deve nada aos melhores do mundo, seja no conteúdo, na construção, na organização interna, na forma de contar tantas histórias ou na qualidade do atendimento. Um lugar de destaque internacional, sem sombra de dúvida. Além do espaço de exposição, fazem parte do lugar diversos laboratórios de pesquisa, um centro cultural, um anfiteatro, um auditório e uma loja onde é possível adquirir livros, CDs e outras lembranças que referenciam o Parque Nacional e o que já foi descoberto por lá.

Para mais informações sobre o Museu e a Fundação, clique em: http://www.fumdham.org.br/.

Distante 300Km de Petrolina, São Raimundo Nonato fica no sul do Piauí. Chegar lá é um exercício de paciência e resistência física pois, desses 300Km de estrada, mais da metade está totalmente destruída, tornando extremamente difícil a travessia. No geral, dependendo da disposição do motorista para agredir o veículo (e os passageiros) com os buracos da estrada, o tempo total de viagem ficará entre 4 e 5 horas, sem contar eventuais paradas.

Partindo-se de Petrolina deve-se pegar a saída para Casanova (BA) e seguir sempre em frente. Os primeiros 100Km são tranquilos, com asfalto em boas condições. A partir daí inicia-se o martírio de transpor os 150Km seguintes, formados por resquícios quase arqueológicos, quando existentes, de uma estrada que lá foi construída em tempos longínquos. Essa é a distância que nos leva, Bahia adentro, passando por Remanso, até a fronteira do Piauí. Fronteira essa, aliás, que marca o retorno do macio e confortável asfalto e traz alívio para corações e mentes desesperados. Depois disso, são apenas mais 50Km até São Raimundo Nonato. Desnecessário dizer que sinalização, locais para comer e beber, ou ainda para consertar um pneu furado, são praticamente tão frequentes nesse trecho quanto estações espaciais entre a Terra e a Lua. E que os animais soltos entre os carros poderiam quase formar um zoológico a céu aberto com 4 ou 5 espécies diferentes.

Mas nada disso importa quando a recompensa que se tem do outro lado é tão grande. Apenas evite ir de outra forma que não seja num utilitário e com ar-condicionado. E não se esqueça de tirar do armário aquela sua roupa de Indiana Jones. Você vai se sentir o próprio!

P.S. A estrada citada no texto aparece listada no Guia Quatro Rodas Bahia como uma das cinco piores do estado. "Fica do outro lado do rio São Francisco, onde parece que a estrada foi esquecida junto com os lugares por onde passa."

Um comentário:

Robson disse...

Aí Marcão, se você se encantou só com o que viu até agora de São Raimundo Nonato e adjacências, imagine quando conhecer o belíssimo Parque da Capivara.
Taí um programa que todo brasileiro teria a obrigação de fazer.
O pior é que tem brasileiro que só conhece e se encanta pelo Grand Canyon e não sabem da existência deste parque, pior pra eles.
Que bom que você está conhecendo e gostando do Alto sertão brasileiro.
Abraços
Robson