segunda-feira, 30 de março de 2009

Only you, brother

A música parece ser de um tal Padre João Carlos e eu a ouço há quase um ano, várias vezes por semana, em alto e bom som. Ela faz parte dos hits que são cantados à pleno pulmão pelos fiéis da Igreja Matriz, distante apenas alguns poucos (3 ou 4) metros da minha varanda.

"só tava faltando você aqui
só tava faltando você, irmão
só tava faltando você aqui
bem-vindo à nossa oração"

Nunca senti que ela me dissesse respeito, de uma forma ou de outra, mas depois de voltar de uma viagem ao Recife, na noite de ontem, ela me soa como uma mensagem de boas-vindas no regresso ao lar. Amém!

sábado, 28 de março de 2009

Difícil

Se você, em 1895, tivesse que escolher o nome para uma cidade no interior de Pernambuco, e, de quebra, ainda quisesse fazer uma homenagem dupla, ao imperador D. Pedro II e à imperatriz Leopoldina, que nome você selecionaria?

... Bidú!

(Cf. Pernambucânia, O que há nos nomes das nossas cidades - Homero Fonseca - Cepe/Fundarpe, 2ed, 2008)

quarta-feira, 25 de março de 2009

Carnaval


Com algum atraso, escrevo agora sobre o Carnaval de um mês atrás. Como eu já esperava, foi um grande Carnaval. Começou com o Galo da Madrugada no sábado e continuou com incursões diversas em Olinda e no bairro do Recife (Recife antigo) pelos dias seguintes.

As impressões gerais são as mesmas do ano passado: um show de organização, alegria, cultura, música e diversão. Muita gente, pouca ou nenhuma confusão, o verdadeiro Carnaval Multicultural faz jus ao título.

Olinda é a festa de sempre, mas sempre e cada vez mais com excesso de lotação. Os blocos, as músicas, a irreverência, as figuras e o astral são típicos de lá e fazem parte do patrimônio da cidade. O bairro do Recife tem aquela coisa da mistura de sons, de ritmos, de ambientes, de personagens e de culturas que não existe em nenhum outro lugar. E o Galo é o Galo, não há nem o que falar.

Não conheço os carnavais de outras cidades, mas não hesito em palpitar que o Carnaval de Olinda e do Recife seja o que de mais autêntico, original e animado existe no Brasil atualmente. Quem nunca foi não pode deixar de programar uma visita. E quem já conhece vai pensar duas vezes antes de querer experimentar qualquer outra coisa no lugar.

Fotografar foi uma experiência boa mas ao mesmo tempo extenuante. Não é brincadeira andar com equipamento no meio de tanta gente e tanta confusão, ainda por cima querendo aproveitar a festa e tendo que ficar de olho nas melhores cenas. Mas acho que eu consegui resumir, de alguma forma, os apelos visuais mais marcantes para mim dessa festa tão bonita.

As fotos estão em www.marcusramos.com.br/carnaval2009.

Espero que vocês gostem. Maracatú e Recbeat vão merecer edições independentes futuras, pois tenho muito material ainda para processar.

terça-feira, 24 de março de 2009

De Maria Bonita à Lampião


O restaurante era diferenciado e sofisticado. O único que eu já conheci que tinha um cardápio populado exclusivamente por receitas de bacalhau, as mais variadas e todas muito bem preparadas. Até as entradas eram variações sobre esse mesmo tema.

Mas os gourmets capazes de sustentar tal diferenciação e sofisticação são escassos na região, e também não apareciam por lá com a freqüência necessária para garantir o sustento do negócio.

Como resultado, o cardápio de bacalhau genuinamente lusitano tornou-se agora um cardápio luso-brasileiro, com apenas dois remanescentes da ousadia anterior, e com novidades concebidas especialmente para seduzir o paladar local. O escabeche de bode, por exemplo, está aí para quem quiser uma cozinha ainda diferenciada mas dessa vez com um sabor regional.

Eu lamento profundamente o ocorrido, sinto não poder mais honrar o compromisso já firmado com alguns potenciais futuros visitantes, e prometo guardar boas lembranças do restaurante mais especial que eu já conheci por essas bandas sertanejas.