quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Immotus Nec Iners (parte 2)

Antes mesmo de eu conhecer o Instituto Ricardo Brennand (na verdade, muito antes dele ser construído inclusive) eu já frequentava com grande entusiasmo a Oficina do Francisco Brennand, irmão do Ricardo com o qual ele divide uma grande área de uma antiga fazenda na Várzea onde estão os seus respectivos espaços.

Na Oficina a sensação que eu tenho é sempre de me transportar para outra dimensão, uma dimensão muito boa diga-se de passagem, e é por isso que sempre que eu estou em Recife e tenho algum tempo disponível eu não hesito em me deslocar até lá.

Habitado por centenas de esculturas expostas em locais fechados e abertos, o local é um santuário artístico que mistura religiosidade, mitologia, erotismo, arquitetura e paisagismo e, por isso mesmo, torna-se difícil descrever a intensidade das emoções que ele desperta em quem, como eu, tem o privilégio de por lá passar e estar.

Ela é, sem dúvida, um passeio imperdível para aqueles que querem conhecer o melhor da cidade e não se contentam com nada que não seja ao mesmo tempo estimulante, tranquilizante, provocativo e perturbador.

sábado, 22 de outubro de 2011

Alguém explica?

Saio pelo setor de desembarque do aeroporto de Petrolina e me deparo com um totem de informações turísticas recém-instalado no caminho. Composto por computador, monitor e teclado, e oferecido pelo Ministério do Turismo e pelo Governo do Estado de Pernambuco, o projeto foi logo saudado por mim, que sempre vi um grande potencial turístico na região, mas ao mesmo tempo nunca entendi a falta generalizada de informações sobre a mesma em toda e qualquer esfera, pública ou privada, local, regional ou nacional. Resolvi, portanto, manipular um pouco o brinquedo para descobrir que novidades ele trazia.

Descobri que a cidade mais próxima de Petrolina sobre o qual ele é capaz de oferecer alguma informação está situada a pelo menos 700Km de distância. Qual seria, portanto, o sentido de se plantar essa escultura eletrônica no setor de desembarque do aeroporto de Petrolina? Talvez tenha sido culpa do instalador, que deveria ter ligado a máquina no setor de embarque, do outro lado do aeroporto, e não no setor de desembarque. Ou então, o que é mais provável, de algum burocrata remoto que vive de empurrar de papéis e não teve a menor idéia do que de fato estava fazendo quando assinou a instalação dessa pérola. Será que algum inimigo público está querendo dizer, de forma subliminar, que não existe nada para se ver ou fazer por aqui? Ou será que instalaram primeiro o hadrware, para depois pensar no software? Surrealista, para dizer o mínimo...

Comissão de frente

Nas proximidades do tradicional Mercado São José, no bairro de mesmo nome na área portuária do Recife, os pedestres que andam pela rua e pela calçada são vigiados pela "comissão de frente" de uma loja de artigos religiosos...

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Dores do crescimento

Nem só do aumento na freqüência dos vôos comerciais, da expansão do comércio local, do aumento da oferta de empregos e do crescimento populacional é feita a progressão econômica que se percebe a olhos vistos em Petrolina. No último sábado explodiram, pela primeira na história da cidade, um caixa eletrônico para roubar dinheiro. O progresso tem obviamente um lado bom, mas também atrai cidadãos e novas tecnologias que não fazem falta nenhuma para a cidade.

domingo, 16 de outubro de 2011

Casamento coletivo

Aconteceu na última sexta-feira, na Concha Acústica da praça da catedral em Petrolina, o casamento coletivo de 100 casais que decidiram aproveitar as vantagens oferecidas pela Secretaria da Mulher do município para formalizar a sua condição. Com a presença de representantes das igrejas católica e evangélica, além do próprio prefeito, o evento teve música ao vivo, buffet para 600 pessoas servido na própria praça, vestidos de noiva, flores, presentes, filas, parentes, amigos, curiosos e tudo mais que a ocasião exige. Foi muito legal, bonito e bem organizado, estão todos de parabéns.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Tique-taque

Para quem, como eu, dependendo do dia, precisa atravessar a ponte Presidente Dutra mais de uma vez, para estar presente em compromissos de forma alternada em Petrolina (PE) e em Juazeiro (BA), a notícia de que a Bahia irá, esse ano, aderir ao horário de verão, é de causar arrepios (Pernambuco tradicionalmente não adere ao horário de verão).

Além de manter a agenda, será necessário anotar também o fuso horário de cada compromisso e tomar cuidado para não criar confusões que provoquem atrasos, adiantamentos ou superposições. Mesmo o relógio vai ter que ser interpretado de formas diferentes, dependendo da situação e do local.

Nem tudo, no entanto, vai ser problema. Será a primeira vez na minha vida, por exemplo, em que eu poderei estar presente, no mesmo dia e no mesmo horário, em compromissos diferentes em estados diferentes. Essa eu acho que nem o Einstein tinha imaginado!