domingo, 30 de agosto de 2009

Tourist Information 07 - Caboclo


Caboclo é um distrito de Afrânio, município localizado ao norte de Petrolina, o último do estado de Pernambuco, praticamente na fronteira com o Piauí. Para chegar lá deve-se seguir por 110Km na rodovia que leva até Picos e Teresina e, chegando em Afrânio, seguir mais 9Km até chegar em Caboclo.

Caboclo é um povoado com características especiais. Fundado há cerca de 200 anos, ele conta um uma igreja bastante simpática, o Museu do Pai Chico, um mirante e várias atrações que justificam a visita.

O ponto alto são as casinhas coloridas e organizadas nas laterais de um retângulo perfeito, que deve ter algo como uns 200m de comprimento por 50m de largura. No meio dele, um amplo espaço de chão batido e um piso de concreto no meio dele que não ocupa toda a área, sempre disponível para uma grande festa que acontece no mês de dezembro. Quando ela não acontece, essa grande área serve como um terreno comum que interliga todas as casas ali construídas, e vira espaço de convívio social dos moradores, a maioria deles com as mesmas raízes familiares.

Também nessa área é que ficam três imensas tamarineiras, a mais velha delas com cerca de 150 anos. Debaixo delas, e sob a proteção das suas folhas, os moradores e os visitantes sentam em bancos de madeira, põem a conversa em dia, armam a sua rede e estacionam os seus carros.

Tudo começou, num passado muito longínquo, com o Pai Chico, patriarca de várias famílias e com quem todos por lá tem, de um jeito ou de outro, alguma ligação. Em sua homenagem foi erguido um museu muito interesante, bem organizado e bem cuidado. Lá estão preservados os objetos e a memória da vida sertaneja, em particular dos moradores da região, descendentes ou não, mas que doaram os seus pertecentes para ajudar a preservar uma memória de que outra forma acabaria desaparecendo. Destaque para o mobiliário doméstico, para os inúmeros outros objetos, fotos e utensílios. Gostei muito de uma carta manuscrita, um pedido de casamento feito por um noivo para o pai da noiva em 1923. Um formalismo e um cerimonial que hoje em dia já não existem mais, mas que são reveladores sobre os hábitos da época.

Além do museu, o visitante pode subir até o mirante, uma subida de encosta com duração de cerca de 30 minutos a pé a partir do centro do povoado, e defrutar de uma linda vista de toda a região, inclusive da chapada que está situada do outro lado da fronteira, no Piauí. Lá em cima, um cruzeiro em cuja base são depositados os votos do fiéis que receberam curas milagrosas (reproduções em madeira de partes do corpo humano). Descendo pelo outro lado do povoado há uma trilha que leva até duas lagoas e também pelo meio de um mato seco, mas cheio de lindas paisagens.

Para conhecer mais sobre Caboclo, as suas histórias e a sua tradição, clique em http://www.caboclo.org.br/.

Dá para ir e voltar no mesmo dia, mas fica um pouco puxado. Para aproveitar melhor, pode-se ficar na única pousada que existe por lá, a Pousada Caboclo, que cobra R$30,00 pelo pernoite, café da manhã sertajeno incluído. Ou, então, voltar alguns quilômetros na estrada e dormir em Afrânio mesmo.

Não bastassem tantas coisas interessantes para se ver por lá por si só, nesse final de semana aconteceu ainda a 6ª Festa do Tamarindo, organizada pela Comissão de Revitalização do Caboclo, e que teve como objetivo promover o povoado em torno dessa azeda mas deliciosa fruta.

Na noite de sábado, em frente à igreja, houve uma apresentação da Orquestra de Câmara do Instituto Federal de Tecnologia do Sertão, formada por garotos e garotas, estudantes de áreas diversas, mas que possuem em comum a paixão pela música e a batuta de um maestro obstinado em levar música de qualidade pelo interior do nordeste. Numa barraquinha ali do lado, a D. Lourdes vendia ótimos doces de tamarindo e de umbu.

Hoje de manhã foi a vez dos repentistas, do legítimo forró pé-de-serra e do concurso de receitas culinárias à base do tamarindo, cujo resultado foi anunciado em versos pelos próprios repentistas. Tudo isso prestigiado pelo Prefeito de Petrolina em pessoa, por autoridades da política, por personalidades importantes da região, pela TV Globo, e, principalmente, pelo arquiteto Cosme Cavalcanti, o nome que está por trás de toda essa agitação cultural e que não mede esforços para tornar Caboclo um destino turístico digno de ser visitado por todos que apreciam e valorizam a cultura e as tradições sertajenas.

Clique no link para ver vídeo sobre a 6ª Festa do Tamarindo em Caboclo, veiculado no Globo Rural.

Naturalmente, eu voltei com um bom material fotográfico. Tão logo tenha terminado de editar e tratar, publicarei o link para as imagens em outro post.

Em tempo: também fazem parte de Afrânio os distritos de Caveira (!) e Arizona (!!!). Não são só eles que tem o seu "Paris, Texas". Nós aqui competimos com o nosso "Arizona, Pernambuco".

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Back to Juazeiro


Novas fotos de Juazeiro. Dessa vez também numa tarde de domingo, porém numa tarde ensolarada, com céu azul e direito a pôr-do-sol. Para ver, é só clicar em: http://www.marcusramos.com.br/juazeiro2/

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Gosta de... música?!?!!?

Uma das coisas mais estúpidas que eu vejo no nordeste, especialmente no interior, é o que se chama por aqui de "som automotivo", termo que designa automóveis de passeio e utilitários forrados de alto-falantes e amplificadores, normalmente ocupando todo o espaço do porta-malas ou do bagageiro, e que transmitem som em altíssimo volume, com potência comparável à dos equipamentos usados em shows ao vivo realizados em locais públicos.

Uso típico: andar por aí com as janelas do carro e a tampa do porta-malas aberto, o som no último volume, e, assim, impor a sua vontade e o seu mau-gosto para pedestres e moradores de casas e edifícios que estejam no caminho. Ou, então, estacionar num local bucólico, como um parque ou uma praça onde exista um bar e um lugar para sentar, e infestar o ambiente com a sua poluição sonora, atrapalhando e geralmente inviabilizando a conversa e o sossego dos outros.

Arrogância, prepotência, falta de educação, egocentrismo e falta de respeito são apenas alguns termos que me ocorrem agora para tentar qualificar os donos e os usuários desse tipo de equipamento. Sem contar, é óbvio, o apurado mau gosto mas escolhas musicais que se ouve por aí. Mas isso não importa e nem faz diferença. Penso que, se existe uma coisa boa nesse tal de "som automotivo", é que a gente pode, com grande facilidade, rapidez e segurança, determinar traços fundamentais da personalidade dos tais "motoristas".

A novidade é que agora não são mais apenas as iniciativas isoladas que contam. A tribo do som automotivo resolveu se reunir e está organizando o 1º Encontro de Som Automotivo, que vai acontecer em Juazeiro nos próximos dias 19 e 20 de setembro, com direito a competições e tudo mais. Não quero nem estar perto e tenho pena de quem não puder se afastar, de preferência para bem longe. Se você estava procurando um bom motivo para viajar nesse final de semana, acabou de encontrar.

sábado, 22 de agosto de 2009

Calorzinho



Conforme previsto, essa semana ligaram a fornalha. O calor está in-su-por-tá-vel. O ar do ventilador queima o rosto. Impossível sair na rua durante o dia, quase impossível dirigir e dormir sem ar-condicionado e outros apetrechos. E os "bros" ainda nem chegaram (setembro, outubro, novembro e dezembro). A coisa deve, portanto, piorar mais um pouco nas próximas semanas. Bom para quem vai para o inferno, porque já chega lá acostumado com o clima.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Onipresente


A França tem a Torre Eiffel e o Museu do Louvre, o Rio de Janeiro tem o Pão de Açúcar e o Corcovado, os Estados Unidos tem a Estátua da Liberdade, o Egito tem as pirâmides, a Índia tem o Taj Mahal, São Paulo tem o Masp, enfim, todo mundo tem o seu cartão postal. E Pernambuco também tem vários, entre eles um leve e bem colorido... clique aqui para ver!

Mail only

Depois da livraria, que fechou, agora é a vez dos DVDs. As duas únicas lojas que vendiam esse tipo de produto por aqui (pelo menos as que eu conheço, me corrijam se eu estiver errado), o Bompreço e o Magazine Pérola, no shopping, estão rapidamente reduzindo as áreas de exposição e a quantidade de itens, sem repor estoque já há um bom tempo. Tudo indica que nas próximas semanas eles simplesmente desaparecerão dos respectivos estabelecimentos.

E quais seriam os motivos? As vendas de DVDs pela Internet estão mesmo acabando com o comércio tradicional? As pessoas estão apenas fazendo downloads, e a mídia realmente já encerrou o seu ciclo de vida? A concorrência dos produtos piratas, vendidos fartamente tanto deste, quanto do outro lado do rio, inviabilizou de vez a venda dos produtos originais? Ou será que os DVDs, assim como os livros, são produtos culturais que possuem pouca demanda na região?

Qualquer que seja a resposta (ou respostas), o fato é que lá se vai uma das poucas oportunidades de lazer e distração: vasculhar as lojas atrás de novidades e de novas descobertas.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

The moon rides again

Em outra ocasião, eu já escrevi sobre a Lua e as vezes em que ela me desconcerta pela beleza, pelo tamanho, e pela cor, muitas vezes em horários e situações totalmente inusitados.

Mesmo assim, ela insiste em continuar me surpreendendo, como foi o caso de hoje, segunda-feira, às 21:52hs. Concentrado estava eu nas coisas do computador, quando de repente dou uma olhada pela janela da varanda e vejo aquela coisa imensa e alaranjada, despontando no horizonte e se impondo na noite.

Depois disso, é só correria para montar máquina, lentes e tripé, e fazer o possível para tentar capturar, da melhor maneira, a graça desse momento tão especial. O resultado está aí em cima (clique para ampliar).

domingo, 9 de agosto de 2009

Lar Doce Lar

Férias em São Paulo e máquina fotográfica na mão, como não poderia deixar de ser. De volta ao lar, doce lar, dessa vez com um pouco mais de dias e tranquilidade para poder visitar e fotografar as coisas que eu mais gosto na cidade. No final não tive tempo para fazer tudo o que eu queria, mas aproveitei muito todos os passeios que eu consegui fazer. Nada como ser turista na sua própria cidade.

No roteiro (e nas fotos), o centro da cidade, os grafites, a Avenida Paulista, Alphaville, o prédio do Banespa, a Pinacoteca, o Mercado Municipal, as frutas, o Instituto Butantã, o Jardim Botânico, o Parque e a Estação da Luz e, é claro, o Leo. Para ver as fotos, clique no link abaixo:

http://www.marcusramos.com.br/saopaulo

Depois dessas duas semanas fantásticas, ainda pude desfrutar de uma outra igualmente incrível, mas por motivos diferentes, em Brotas, no interior de São Paulo. Mas essa fica para uma próxima postagem.

Cana Brava


A carne de sol é um prato típico do nordeste, mas não é em qualquer lugar que se pode apreciar uma carne macia, suculenta e bem-temperada, acompanhada por uma macaxeira leve, delicada e quase desfeita.

Depois de experimentar muita carne de sol supostamente bem preparada, aqui e em vários lugares diferentes do nordeste, foi apenas ontem, no Restaurante Cana Brava, que eu consegui me surpreender com a qualidade do prato. Além dos atributos acima, ela é muito bem servida (três pessoas se servem bem com apenas uma porção) e, segundo relatos confiáveis, o restaurante mantém uma regularidade na qualidade e no tamanho das porções que não é usual se encontrar por aí.

O local é um boteco de esquina com mesas na calçada, bem simples e sem nenhum luxo. Se não tivesse sido recomendado, eu jamais pararia em frente para experimentar o que quer que fosse. Talvez apenas uma cerveja (aliás, bem gelada), e olhe lá. O único indicativo de que lá existe algo especial parece ser a lotação, pois consta que, mesmo durante a semana, não é fácil conseguir mesa.

Fica então a dica para quem quiser uma ótima carne de sol. Seguindo pela rua do cemitério, você faz o retorno logo depois do posto BR, dobra à direita assim que passar por ele, e depois entra na segunda à direita. Infelizmente não anotei o endereço nem o telefone.