sexta-feira, 26 de junho de 2009

Esse é o São João



No ano passado eu escrevi neste blog relatando a minha decepção por não ter encontrado uma genuína festa junina por essas bandas. Dias depois eu me redimi, quando descobri a festa da igreja vizinha lá de casa.

Mas nada se compara com a experiência que eu tive neste último dia 24. Ao invés de passar mais um feriado em casa, em frente à TV e ao computador, eu resolvi colocar o pé na estrada e dar um pulo até Senhor do Bonfim, distante 130Km de Petrolina, em direção ao interior da Bahia.

A experiência foi inesquecível. Nunca vivenciei um São João tão bonito, alegre e espontâneo. Sai de casa às 11:00 hs e cheguei de volta às 20:30hs. Uma hora e quarenta e cinco para ir, outro tanto para voltar. Mas o durante valeu qualquer sacrifício.

Para começo de história resolvi sair a pé pela cidade, observando o movimento. Barracas, música de forró legítima, pessoas alegres e dispostas a se divertir, decoração singela mas interessante. Sem destino determinado, acabei chegando na antiga estação de trem onde, para minha surpresa, a animação era grande: estava de partida o "Forró no Trem".

"Forró no Trem" é o nome da iniciativa local que leva um vagão cheio de turistas e populares para um trajeto pequeno, em ritmo de desfile, puxado por uma locomotiva pelos trilhos que ainda existem em volta da cidade. Dentro do vagão todo decorado, por dentro e por fora, com chita colorida, um trio de sanfona, zabumba e triângulo, tocava uma música ótima e botava fogo na animação dos passageiros, que dançavam e conversavem alegremente. O sanfoneiro, em particular, era uma figura interessantíssima, um senhor de 70 anos muito bem caracterizado e com a sanfona mais bonita que eu já vi.

Ao longo do passeio, saudações da população que mora na margem dos trilhos, crianças correndo em volta do trem, famílias comendo a sua feijoada nas calçadas e nas varandas das casas, tudo perfeitamente integrado nesse cenário de festa do interior.

Passada a euforia da festa, de volta ao centro da cidade. Num dos palcos, um grupo de forró pé-de-serra animava crianças, jovens e adultos que dançavam animadamente na praça e em volta dela. Tudo muito singelo, honesto e alegre, num astral super agradável.

Enquanto a música acabava, lá vinha o desfile das carroças decoradas. E depois do desfile, numa carroça especial, o "noivo", a "noiva" e os demais figurantes do casamento matuto.

Esse casamento foi fantástico. Atores excelentes, da própria cidade, muito bem caracterizados e, especialmente, super animados e interagindo amplamente com a população e os turistas que rodeavam as carroças. Um verdadeiro palco de teatro armado na rua, para deleite de todos, inclusive eu.

Noivo, noiva, delegado, padre, sogro, sogra etc, todos estavam lá cumprindo os seus papéis no meio do povo, no meio da praça e trazendo gargalhadas e sorriso no rosto de todo mundo. Depois desse "aquecimento", mais música, mais dança e, finalmente, o casamento propriamente dito no palco da pracinha. O prazer estampado no rosto das pessoas que assistiam o espetáculo era comovente.

Quando acabou o casamento, já estava escuro e a festa iria mudar de local, avançando madrugada adentro. A Guerra de Espadas, infelizmente, já tinha acontecido na noite anterior.

Hora então de voltar com atenção, tomando cuidado para não passar por cima de nenhuma vaca, jegue, cachorro, bode ou rato-do-mato na estrada. Mas a alma estava lavada e feliz. O São João que eu sempre sonhei existe e está logo ali. Ano que vem não mais por algumas horas apenas, mas pelo menos por dois dias inteiros. Torço para que muitas e muitas gerações ainda tenham a chance de ver e curtir uma festa como essa.

As fotos estarão no meu site em breve: http://www.marcusramos.com.br/

2 comentários:

Robson disse...

Pô Marcus que inveja, este era o São João que eu curtia lá em Campina Grande, antes da festa ter virado um grande carnaval, que descoberta e pelo visto você gostou mesmo, acho que próximo ano você vai ter companhia neste São João.
Como você descobriu?
Abraços
Robson

CAROÁ disse...

Marcos, não o conheço, porém,como bonfinense, fiquei grato pelos comentários feitos por você no seu blog. Descobri seu comentário por acaso e nossa cidade agradece. O espaço, com o Casamento da Maria que você presenciou , foi criado recentemente por nós do comitê gestor do São João, o qual chamamos de FORROBODÓ (nome original do forró). Pena que você não conheceu a CASA DO SÃO JOÃO, outra inovação em nossa cidade, neste ano. Mas terá oportunidade. Entre no site www.senhordobonfim.ba.gov.br e no meu site (www.caroa.uni.cc). Um abraço, Fernando Coelho