sábado, 12 de junho de 2010

Mulher de verdade

Diferentemente da Ilha do Rodeadouro e da Ilha do Massangano, a Ilha da Amélia é um lugar praticamente virgem, no sentido amplo (habitantes, serviços, atrações turísticas etc).

Conforme já comentado, a Ilha do Rodeadouro é um destino essencialmente turístico. Vá para lá se você quiser tomar uma cerveja gelada com os pés mergulhados na água fresca do rio. Ou então para comer uma piranha grelhada enquanto curte o som das dezenas de bares instalados no local. Evite os finais de semana, pois o local fica superlotado.

A Ilha do Massangano, por outro lado, é um lugar residencial. Lá você encontra uma comunidade constituída, com habitantes, comércio, escola, igreja, tradições folclóricas etc. Vá para lá se você quiser conhecer essas tradições ou apenas para espiar o funcionamento de uma comunidade rural no meio do rio São Francisco.

Tanto uma quanto outra são acessíveis a partir das "travessias", como são chamados os locais que transportam passageiros em pequenos barcos motorizados entre a costa e as ilhas, que ficam uma ao lado da outra. As travessias do Almizão e do Juarez são as mais recomendadas. Para o Rodeadouro a passagem custa R$2,00. Para o Massangano, cujo trajeto é um pouco mais longo, são R$5,00. Ida e volta, em ambos os casos.

Para chegar na Ilha da Amélia, no entanto, é necessário seguir mais alguns quilômetros pela estrada, depois das travessias citadas, até chegar na Travessia do Gringo, que também cobra os seus R$2,00 para te levar até a ilha.

E o que há para ver lá? Basicamente nada, ou seja, apenas natureza, um bar com quatro ou cinco quiosques e duas ou três casas, apenas uma habitada. A diversão lá é andar pelas trilhas, afastar o mato alto e fazer as suas descobertas.

Depois de andar por boa parte da ilha, eu vi apenas uns bodes e uma única família, com uma única criança. A qual, apesar de ser única, parecia estar tão à vontade e se divertir (fingindo que surfava nas águas do rio) tanto quanto as outras que eu conheci no outro dia, na Ilha do Massangano.

Hora marcada, nosso barqueiro chega para nos levar de volta. Retornamos ao ponto de encontro. O bar já estava aberto e aproveitamos para tomar uma água. Mais uma para o currículo.

Nenhum comentário: