sábado, 3 de maio de 2008

Feriadão

Novos progressos: já liguei a TV e matei saudades do William Bonner e da Fátima Bernardes. Já tenho uma cama para dormir. Já consigo deixar alguma coisa na geladeira. Comprei meu primeiro pé de alface. Ainda faltam o fogão, o microondas, a lavadora de roupas, o som, a Internet etc.

Quatro dias de feriado e quatro dias de uma rotina invariável: arrastar e abrir caixas, empurrar coisas pela casa, trabalhar no computador, ver TV (fica ligada na Globo o tempo todo, a única que pega, assim pelo menos eu me sinto "acompanhado"), assitir DVDs, fazer exercícios (sim, fiz da minha varanda a minha academia), ler, comer e dormir. Só falta encontrar gente pela frente. Pelo que vi, não vou poder contar muito com o pessoal da universidade, que são todos novos e recém-casados com filhos pequenos. Quando chega no final de semana ou num feriadão, cada um vai para a sua toca e lá fica.

O "shopping" fica cheio de gente, mas a maioria de adolescentes. De noite até que se ouve falar num forró aqui, um baile ali etc, mas confesso que ainda não me animei. Alguém quer ir conhecer comigo?

P.S. No shopping tem um restaurante que serve uma apetitosa "sopa de bode". Ideal para tormar depois de um forró, antes de ir dormir...

Um comentário:

Anônimo disse...

Marcus, que bom que vc já está se sentindo mais "em casa". Aí vão umas palavras de Baston Bachelard, como forma de "boas vindas" à sua nova casa:

"...não é em sua positividade que a casa é verdadeiramente 'vivida', não é só no momento presente que reconhecemos seus benefícios. Os verdadeiros bem-estares têm um passado. Todo um passado vem viver numa nova casa. A velha locução: 'Levamos para a casa nova nossos deuses domésticos' tem mil variantes.
[...]
Quando, na nova casa, retornam as lembranças das antigas moradas, transpomo-nos ao país da Infância Imóvel, imóvel como o imemoriável. Vivemos fixações, fixações de felicidade."

Felicidades na sua casa nova!
Érica