quinta-feira, 22 de maio de 2008

Buemba buemba!

Deu no noticiário da TV: temperatura esfria e lojistas, felizes, vendem todo seu estoque de malhas, casacos e botas. Não adianta procurar que não tem mais. É o inverno assolando o sertão...

Não vejo a hora de ir dar uma volta no calçadão (orla) qualquer hora dessas, de short e camiseta, e me deparar com essas figuras encapotadas que devem parecer verdadeiros ETs invadindo Petroland. Vou me divertir um bocado.

Eu, da minha parte, estou pensando em reduzir a velocidade do meu ventilador noturno de 3 para 2, e, naturalmente, quando o inverno rigoroso chegar de vez, usar uma camiseta ou um lençol para dormir. Bem entendido: um OU o outro.

O noticiário daqui é sempre muito esclarecedor. Outro dia, por exemplo, eu vi na TV uma outra entrevista em que um produtor de frutas confirmava, descaradamente, aquilo que eu já suspeitava: como a safra desse ano não foi boa, e o produto não atingiu a qualidada mínima para exportação, então a mercadoria está sendo escoada no mercado local.

Ou seja: se a safra é boa, ninguém daqui consegue ver. Se é ruim, pode levar à vontade. Please! Alguém pode me mandar um melão, um abacaxi, umas uvas e uma boa manga aí de São Paulo? As botas e os casacos podem ficar aí mesmo. Eu trouxe as minhas para cá.

3 comentários:

Anônimo disse...

Não vai "congelar" aí hein Marcão?? Rs. Inverno no nordeste parece uma coisa de louco, meus pais que moraram 1 ano e meio em Salvador sempre falavam que era a temperatura chegar perto dos 24 graus que todo mundo já sai de botas, jaquetas de couro, e todo aparato de inverno nos Alpes Suíços, enquanto os paulistas continuavam de bermudas e frequentando as praias para espanto dos baianos que trabalhavam nos quiosques (encapotados, é lógico).
Abre uma lojinha temporária de roupas de inverno aí, dá dinheiro... rs.
Abração Marcão, e assim que der, aportaremos em Petroland. Se cuida.
Tiago

Anônimo disse...

Olha o preconceito aí gente! tudo começa com uma brincadeira, mas no fundo é preconceito puro, ninguém é melhor que ninguém, seja na capital ou no sertão, da brincadeira pode resvalar para algo mais sério, se lembrem da história, o fascismo e o nazismo começaram assim e acabaram tipo "eu sou melhor do que você", o resultado todo mundo conhece, da capital ao sertão.

Lésio Quincas Munácio disse...

Na verdade, conhece-se muito pouco do nazismo e do fascismo.
Não os defendo, mas tb não defendo que tenham sido totalmente catastrófico. Ambos tiveram papéis importantíssimo no mundo ocidental, no início do séc. XX.
O preconceito é apenas uma das faces desses regimes, e atente-se para que o ideário "raça pura" não competia ao fascismo.