quinta-feira, 8 de maio de 2008

Ameno

Ouvi dizer que o diabo, quando está transportando as pessoas para o inferno, costuma fazer uma escala em Petrolina. É para as pessoas irem se acostumando com o clima...

2 comentários:

Anônimo disse...

Marcus:

Estive em Petrolina uma vez, bem no início da década de 70. Caramba !!!! Já lá se vão quase quase 40 anos !!!!

Foi uma viagem épica. Peguei o “gaiola” (ainda existe?) em Pirapora-MG e após 8 longos dias (e noites) navegando o rio São Francisco, estava aportando nessas bandas.

Nessa época tinham acabado de fechar a barragem de Sobradinho, e a represa estava se formando. Presenciei in loco as águas engolindo as cidades à beira do rio. Adeus Remanso, Casa Nova, Sento Sé. Adeus Pilão Arcado, eu vi o rio te engolindo.

Os ribeirinhos mais teimosos não aceitavam a idéia de deixar o sítio em que sempre tinham vivido e se negavam a ir embora. No fundo, não acreditavam que a água pudesse chegar onde estavam. Claro, chegou. Vi bode sendo içado de helicóptero e vi caboclo agarrado à cruz de uma igreja (a que fica lá no alto, em cima da igreja) com a água, literalmente, batendo na sua bunda. Passei por vilarejos onde os barcos navegavam entre os telhados das casas. Eu e o Sá e Guarabyra (será que eles viram mesmo, ou ouviram?).

Só sei que depois de 8 dias de bucolismo franciscano fiquei frustrado com Petrolina, que me pareceu reunir tudo que tem de ruim numa cidade grande com tudo que tem de ruim numa cidade pequena.

Quanto a esse aspecto acho que não deve ter mudado muito. Mas, 40 anos deve fazer alguma diferença. Por exemplo, não havia universidade lá, naquele tempo.

Não me lembro o que eu comi. Deve ter sido charque ou carne de sol que, aliás, era o cardápio do “gaiola”. Percebi que você anda refratário a experimentar uma boa bodada mas, pense bem, é puro preconceito.

Não pense no bode. Pense no cabrito. Não é mais delicado? Uma bela perna de cabrito assada não é uma delícia? Com uma grande vantagem: o bode é muito mais saudável que o boi. Além de mais macio e mais saboroso, o bode, ou melhor, o cabrito, apesar de ter o mesmo valor protéico e a mesma quantidade de ferro presente na carne bovina, apresenta níveis muito mais baixos (60% a menos) de gordura saturada e de colesterol. O nível de colesterol é inferior à carne de frango, que é dieta de hospital. E ainda tem mais fibras que a carne de boi, o que facilita a digestão.

Dizem, os mais entusiasmados, que o bode é o futuro da alimentação. É uma carne mais gostosa que a de boi, sem os seus inconvenientes. Aliás, a exportação de bode só não explodiu, ainda, por falta de estrutura dos criadores. Vários países já quiseram fechar contratos gigantescos de compra (a Arábia Saudita, por exemplo) que só não saíram porque os produtores não têm condições de entregar as quantidades pedidas.

Portanto, encoraje-se, pense em cabrito, nunca em bode, e comece experimentando um espetinho com farinha. Não tem erro. É melhor que gato.

Quem sabe vc toma gosto e leva uma cabritinha para comer em casa?


Marcus:

Foi bom saber de vc e acompanhar essa odisséia. É bom ter notícias. Foi uma pena termos nos desencontrado quando vc esteve em S. Paulo. Mas, ocasiões não faltarão...

Um forte abraço e grande torcida para as coisas se ajeitarem rapidamente.

Ari

Rose Passos disse...

Marcus querido....
hoje consegui parar um pouquinho e ler as últimas do seu blog...morri de rir com algumas coisas que escreveu...como dizia Plinio Marcos ¨seria cômico se não fosse trágico¨!
Paciência, sorte e saudade de vc !
Tomara que faça amizades logo, vc não pode ficar sozinho assim...
Beijos
Rose